Feeds:
Posts
Comentários

Teia, Vint e o Futuro

Eu e Papai do Céu

Eu e Papai do Céu

Ao final da palestra de Vint Cerf, ontem em BH, a sensação foi que tinha faltado algo. O clima na platéia era da expectativa de que o inventor do protocolo TCP/IP iria – como o próprio Sr. Wonka – divulgar as novidades mais saborosas do Google para o futuro ou conclamar a platéia para algum tipo de mobilização colaborativa e transformadora. Não foi assim. E por que seria? Vint fez o seu papel de evangilizador de internet e vice-presidente da Google. A expectativa na verdade não era em cima de Vint e sim do que estava borbulhando na capital de Minas naquele dia e mais: a expectativa era por alguem que falasse sobre o futuro.

A tarde, no maravilhoso palácio da Liberdade, um evento juntou a Google, o governador e blogueiros na assinatura de um protocolo de intenções que que vai dar acesso a um conjunto de softwares oferecidos pela Google, via Internet, a todos os 2,5 milhões de alunos e 165 mil professores das escolas da rede pública estadual.

Mas foi nesta mesma tarde que foi apresentado o projeto TEIA MG pelo Secretário Estadual da Ciência e Tecnologia Alberto Portugal. Foi neste momento que toda a efervecencia latente durante todo o dia veio a tona. Algo novo estava sendo dito. Alguma coisa realmente nova estava acontecendo na prática: um programa de fomento de redes de agentes  massificando a inovação. O impacto foi grande. Abaixo deixo vocês com o video do discurso emocionado do diretor-geral da Google para a América Latina, Alexandre Hohagen:

Aécio e Vint com a camiseta do TEIA

Aécio e Vint com a camiseta do TEIA

Cartaz do filme. Legal, né?

Cartaz do filme. Legal, né?

Aquelas pessoas 4.0 – como eu – devem se lembrar de um filme Checo chamado “Um dia, um Gato“. Uma das cenas mais lindas é quando é retirado os óculos do felino e ele passa a enxergar as pessoas de acordo com seu caráter (representado por cores) – uma taxonomia colorida em um baile lindo, que enchiam meus olhos de menino. O filme foi feito um pouco antes da “primavera de Praga” (mas assisti bem depois, né). Ultimamente ando com uma predileção enorme pelo Twitter e comecei a brincar do gato do filme e classificar as pessoas que sigo por cores e pior: mentalmente e pior ainda: comecei a me divertir com isso.

Vermelho (as apaixonadas): são aquelas que sempre estão dando bom dia, colocando musica no Blip.fm, dizendo que o dia está lindo e que estão indo fazer algum grande passeio ou acabaram de comer algo maravilhoso;

Cinza (as ranzinzas): aqueles que sempre estão reclamando do trabalho, do cansaço, do trânsito, do tempo e – principalmente – da vida;

Azul (as profundas): aquelas que fazem citações ou colocam enigmas que nem elas vão se lembrar da resposta depois de duas horas da postagem;

Amarelo (as radialistas): aquelas que narram jogos de futebol, shows, esperas em aeroportos ou mesmo um almoço de domingo (postam geralmente em cadeia);

Roxas (wired people): sempre com uma novidade tecnológica (não sei de onde tiram tantas novidades) que elas já testaram e dicas de sites, aplicativos e outras coisas inacreditáveis.

E tem aquelas que são todas estas cores se alternando – assim como alguns personagens do filme.

Eu realmente adoro esta dança de cores do Twitter (só dou unfollow naqueles que flodam pra valer). Eu acho até que ele deveria ter um dispositivo de classificação cromática que a gente poderia ir brincando de acordo com o tipo de apetite em devorar aqueles sushis de informação. Realmente gosto do Twitter. Gosto de pessoas. E ainda me emociono com as cenas de “Um dia, um gato”.

Ainda Vint Cerf


Vint é brasileiro por alguns dias

Vint é brasileiro por alguns dias

Algumas perguntas ao Papai do Céu:

É melhor ser hub de rede social ou estrela da mídia emergente?

A inteligência coletiva forma um deserto ou um pomar?

A era do conhecimento é antitese do capitalismo?

Existe Orkut em Marte?

De qualquer maneira, seja bemvindo ao país das Redes Sociais e obrigado pelo protocolo!

Inconfidência Mineira

O papai do céu

O papai do céu

Começando a arrumar as malas para ir a BH  para o evento do dia primeiro de junho – O Futuro da Internet – palestra com Vint Cerf – um dos pais da internet (inventou o protocolo tcp/ip) e vice-presidente do Google. Quero ouvir sobre a internet “interplanetária” e outras coisas mais.  Esta viagem  tem um significado especial para mim: é minha estréia no Peabirus, depois de 3 anos de Conectt. Pois é, acho que estou entrando com o pé direito – o evento promete e já sinto no ar uma atmosfera de inconfidência mineira que muito me agrada. Vou tentar transmitir a coisa de lá via Twitter e que Tiradentes esteja conosco! Fica o convite a todos os amigos de plantão.

 

Lanhouse do Futuro

Lanhouse do Futuro

 

 

Nestes últimos meses realizamos um projeto muito interessante chamado Sebrae Participativo – mapeamento e análise de redes sociais,  criação de uma blogosfera e muito mais. É o Sebrae que ensina e aprende. Estamos na reta final, ou seja: olhamos, analisamos, criamos a blogosfera e agora chegou a hora de entrarmos nas arenas sociais como Orkut, Yahoo Respostas, YouTube, Flickr e Wikiopedia. Nosso “plano de intervenção” passa pela criação de uma rede pontual juntando o Portal do Sebrae, as redes sociais mapeadas e a blogosfera (Mundo Sebrae) e  pontos de referência que são dois blogs de “assalto”, uma sobre como as Lan Houses podem apoiar as micro e pequenas empresas e o outro sobre a MEI (Micro Empreendedor Individual) . Fica o convite para conhecer estes blogs, responder as enquetes e entender o que é o Sebrae Participativo.

Não a demonização dos games

Ultimamente ando envolvido com projetos que tentam entender as Lan Houses e suas oportunidades. Várias pesquisas e pessoas bastante capacitadas – como Cláudio Prado (coordenador do Laboratório Brasileiro de Cultura Digital) – defendem as Lan Houses como espaços de grande potencial para a formação da cidadania cultural e digital deste século. Concordo. O que sinto falta é de um olhar mais atento à questão dos games nestes estabelecimentos – vistos, quase sempre, como prejudiciais para os usuários, como para os negócios. Posso ser preciptado mas acredito fortemente que a criação e distribuição de games com objetivos de construção do conhecimento, desenvolvimento de competências e sociabilização nas Lan Houses como ações de educação e cultura poderia dar samba. Mas eles têm que ser divertidos, bem feitos e instigantes – porque a competição é forte com os CSs e Tíbias. Aliás, não compartilho da visão que estes jogos de mercado (alguns violentos, é verdade, mas e daí?) são o capeta em forma de pixels: eles ajudam na socialização e permitem a construção de algumas habilidades interessantes – trabalho em equipe, estratégia, negociação, colaboração e respeito. Quem já participou de algum clan de game online sabe do que estou falando.

Arena Colaborativa

Arena Colaborativa

Uma das boas coisas em se ter um blog é receber comentários. Melhor ainda é quando estes comentários são de gente especial e inteligente – como a minha amiga Márcia Matos – poetisa, pintora, pensadora, web filósofa e assim vai. Vou reproduzir o comentário dela:

Sabe que eu tenho um site, privativo,   chamado www.odeiodinamica.com?  E que esse site tem adeptos?Pois é, só que ele fala daquelas dinâmicas motivacionais do psicólogos organizacionais. Que podem até surpreender da primeira vez, quando a gente ainda não conhece nada, nunca participou. Depois da segunda, ninguém mais aguenta!Agora, essa sua dinâmica é outra história. É pura colaboração e nem deveria chamar dinâmica, pra não confundir os adeptos do meu site. Pense nisso.

Pensei, Márcia e acho que você tem toda a razão. Não se trata de dinâmicas motivacionais ou de experiência comportamental ou simulações psico-emocionais e etc. Como já disse – nada contra. Mas não são isso e acho importante evitar confusões, como você bem alerta. Estas atividades (viu, só? Já estou evitando o usar o termo, rs) são ações que se valem de processos colaborativo e – quase sempre – visam objetivos mais coletivos e concretos e – quase sempre também – voltados para o fortalecimento da relação dos envolvidos com inciativas digitais ou mesmo ações em grupo visando a produção de algo concreto. Por isso, acatando a sugestão da Márcia de exiliar o termo dinâmica, passo a usar um termo composto por um substantivo e um adjetivo : Arena (que remete a jogo, demonstração, embate) e Colaborativa  (de acordo com o processo empregado). Aí está. Que tal, Márcia? Obrigado pela ótima sugestão!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.